quarta-feira, 26 de abril de 2017

Treinamento de elite!

Por FERNANDO MELO
O polonês Johannes  Zukertort  (1842-1888 

Qual o segredo do xadrez? O que você acha em ter essa resposta dada por Bobby Fischer? Então muita atenção, porque a partir de hoje vamos penetrar nos labirintos dessa arte milenar que apaixona os humanos ao longo dos séculos.

O segredo do xadrez - disse ele - consiste em não fazer jamais um lance sem haver compreendido antes a posição.

Numa das minhas infindáveis leituras ficherianas, descobri o quanto Bobby respeitava Steinitz, o primeiro campeão do mundo, no século XIX. Foi bom saber isso, porque me livrei do preconceito contra esses jogadores do passado, achando que só os atuais, a partir do século XX, eram merecedores de nossa atenção. 

Pretendo assim trazer para os leitores o estudo de uma partida, jogada em Londres no distante ano de 1883, entre Zukertort-Blackburne. Gostaria de deixar claro que esse artigo não serve para uma simples leitura superficial. Exige do leitor certo esforço para que possa beber nessa fonte de água cristalina e medicinal para o bom aprendizado do xadrez. Eu não pensava sequer que podia aprender numa partida tão antiga, considerada por quem entende como uma das mais belas da história,  em que se realiza uma combinação notável.  

Antes de armarmos o tabuleiro para o estudo desse embate, vamos dar atenção ao torneio que produziu essa partida. O curioso é que ele começou exatamente no dia 26 de abril (atento para a data de hoje), portanto 134 anos atrás, e terminou no dia 23 de junho! Reuniu 14 mestres, todos contra todos em dupla volta. Ou seja, cada jogador precisou jogar 26 vezes! Além dos dois citados, estavam também Steinitz, Chigorin, Rosenthal, Winawer, nosso Bird, entre outros. O campeão foi Zukertort com 22 pontos, seguido de Steinitz com 19 pontos. 

Zukertot - Blackburne
Londres 1883
Abertura Rubinstein - D05
Comentários de Arthur Yusupov

1.c4 e6 2.e3 Cf6 3.Cf3 b6 4.Be2 Bb7 5.0-0 d5 6.d4 Bd6 7.Cc3 0-0 8.b3 Cbd7

Os bispos ativos em b7 e d6 apontam para o flanco do rei. Antes já e conehcia como os "bispos de Horwitz" (um mestre alemão do século XIX, que gostava de colocar seus bispos nessas casas. Na sequência, as negras propóem jogar Ce4, f5 e finalmente, levar a torre ou a dama a f6 para atacar o rei.

9.Bb2

... O bispo em d6 é uma peça muito forte, e as brancas devem trocá-lo por seu cavalo. Naturalmente, a saída Cb5 nem sempre é efetiva. O bispo pode voltar a e7, depois segue a7-a6, e tudo segue igual. No caso de que as bancas possam ocupar a coluna "c" com a dama e a torre, então o bispo não podia retroceder devido a debilidade de c7. Sobre essa base a7-a6, em posições desse tipo, é uma boa manobra profilática. Mas, Blackburne subestimouy a ameaça Cb5.

9. ... De7?! 10.Cb5 Ce4 11.Cd6 cd.

(CONTINUA AMANHÃ) 


Fernando Melo é amor ao xadrez!


Fernando Melo, o leitor deste blog conhece! É um apaixonado pelo xadrez! É intenso, romântico e, por isso mesmo, não raro, maravilhosamente insensato... Afinal gosta de sonhar, de provocar, de saborear sua Bird, de celebrar a magia do jogo dos reis, de se encantar com seus heróis, cujo expoente máximo, claro, sabemos todos quem foi... Fernando Melo, numa expressão, é amor ao xadrez! Prestamos todos, familiares e amigos, nossas homenagens pelo seu aniversário de 72 anos de idade, completados neste dia 26 de abril de 2017. Para o xadrez paraibano é um dia especial, muito especial, bastante especial! Hoje o Reino amanheceu em festa, com Caíssa sorrindo e lembrando a seus súditos o quanto o xadrez tem o poder de fazer as pessoas felizes!

Esperança promete!

Cresce a expectativa em torno de Esperança! Faltam apenas 3 dias! Veja nas fotos abaixo alguns dos nomes que deverão participar deste que é o maior e mais tradicional evento de xadrez do interior paraibano! O torneio promete!

MN Paulo Barbosa

Petrov Baltar

André Gomes

MN Evandro Rodrigues

AIM Fabson Palhano

Carlos Capivara

Doriedson Lemos

Fernando Sá
 

terça-feira, 25 de abril de 2017

O amigo Bjelica!

Por FERNANDO MELO 

Dmitrije Bjelica
Estive ontem pesquisando sobre a vida do jornalista internacional de xadrez, o iugoslavo  Dmitrije Bjelica, atualmente com 81 anos, autor de mais de 80 livros sobre xadrez, e não perdi a oportunidade de aprofundar minhas informações sobre Bobby Fischer, uma vez que Bjelica o conheceu muito de perto. Chego a dizer que ninguém conquistou mais a amizade de Fischer do que ele. Claro que Lombardi também gozava dessa confiança, mas quero acreditar que Bjelica viveu mais as emoções que Fischer proporcionava ao mundo,

Extra tabuleiro, fiquei sabendo que Fischer gostava muito de vestir ternos finos e caros. Chegou a possuir em seu guarda-roupa, nada enos do que 17 ternos. Ficou meio apaixonado por essa ideia de ter mais e mais  e quando soube que alguém chegou a ter mais de 200, parou de comprar.

E se Fischer não fosse jogador de xadrez? Então teria sido um cantor! Sim, gostava de cantar. Nunca subiu num palco profissionalmente, mas chegou a pensar, no entanto a fisgada da deusa Caissa foi mais forte. Outra particularidade é que Fischer além do inglês, conhecia bem o russo e o espanhol e gostava muito de ler e estudar nas revistas russas, partidas dos torneios realizados na União Soviética

Bjelica gozava da confiança de Fischer. Praticamente todos os torneios que Fischer jogava, esse amigo ia cobrir jornalisticamente para televisão, revista e jornais. Entre os dois, surgiu uma amizade sólida e sincera.  Talvez dai venha o carinho e o desejo de sempre querer jogar na Iugoslávia, onde Fischer era muito querido, assim como em Buenos Aires.

Na leitura e pesquisa do livro de Bjelica sobre Bobby Fischer, você mergulha, em muitos momentos, no prestigio que Fischer tinha junto aos seus adversários, principalmente os russos. A força de Fischer era tão grande que ele revolucionou o xadrez, sozinho, mais do que toda a Escola Russa, tão grande foram os seus feitos. 

Gostaria de encerrar este artigo, lembrando o que disse Svetozar Gligoric(1923-2012), o jogador mais forte da Iugoslávia e que teve a oportunidade de enfrentar Fischer dezenove vezes, ao longo de vários torneios, com 7 vitórias, 4 derrotas e 8 empates a favor de Fischer. "Creio que Fischer é o melhor jogador de todos os tempos".

segunda-feira, 24 de abril de 2017

O anjo da guarda de Fischer!

Por Fernando Melo
Ed. Edmondson - 1972

Depois de muito pesquisar, estou convencido de que Bobby Fischer chegou ao ponto que chegou, principalmente na escalada para a conquista do título mundial, a começar em 1970, 1971 e finalmente 1972, graças ao diretor executivo da Federação de Xadrez dos Estados Unidos de 1966 a 1975, coronel Edmund B. Edmondson (13 de agosto de 1920 a 21 de outubro de 1982) , que reputo como o "anjo da guarda" de Fischer. Vamos saber, então, o que ele fez.

Sabemos que naquele tempo, o enxadrista para chegar ao título mundial precisava vencer quatro etapas. A primeira delas era estar classificado no Continente, onde evidentemente estaria incluído o seu país, o que podemos chamar de Zonal. No caso em questão, estamos falando do Zonal Norte-Americano, que classificava três representantes da América do Norte para jogar o Interzonal (segunda etapa). Bobby Fischer estava fora dessa representação, por não ter jogado o Zonal (que correspondia ao Campeonato dos Estados Unidos, dado a força dos seus jogadores, já que o México e Canadá sequer participavam).

É a partir daí que entra a figura do Coronel Edmondson, na difícil missão de convencer Bobby Fischer a jogar, já que estava afastado dos torneios há mais de um ano. Sabemos todos do temperamento de Fischer e como este terminou aceitando o convite do diretor da Federação, veio o que podemos chamar de missão impossível: afastar Paul Benko, um dos classificados no Zonal, e colocar em seu lugar Bobby Fischer. Por que isso era tão difícil?

Precisava convencer a FIDE - Federação Internacional de Xadrez que os Estados Unidos queriam Fischer entre os três representantes do Zonal e como Benko "desistiu", a vaga seria de Bobby. A política usou de suas garras, primeiro ao "comprar" a vaga de Benko por 2 mil dólares, mas que oficialmente, se tratava de uma desistência deste, e segundo, usou do prestígio e da força da Federação Norte-Americana junto à FIDE.

Edmondson defendia a tese de que Fischer era o único "estrangeiro" capaz de tomar a coroa mundial dos soviéticos, e sendo este americano, não podia vê-lo fora. E como ele estava certo! Fischer saiu ganhando todas as etapas com muito brilho: em 1970, o Interzonal de Palma de Mallorca, em 1971, o Torneio de Candidatos e em 1972 o Mundial! Durante esses eventos, Edmondson sempre esteve perto de Fischer para resolver variantes extra-tabuleiro Portanto, nosso reconhecimento e aplausos para o coronel  Edmund Edmondson!

sábado, 22 de abril de 2017

Esperança - Torneio inicia no sábado!

Já será no próximo sábado o início do  XX Torneio de Xadrez Rápido Cidade de Esperança, promovido por Joaquim Virgolino (foto), com patrocínio do Vereador Luís Flávio Paiva. Está sendo esperada uma participação destacada de jogadores das regiões mais próximas, dentre eles nomes de relevo do xadrez nordestino. Serão distribuídos 5 mil reais em prêmios. O torneio vai ser disputado no Colégio Menino Jesus de Praga - Geo de Esperança, em 6 rodadas, no ritmo de 1 hora nocaute, nos dias 29 e 30 de abril. Todos os jogadores deverão portar relógio e jogo de peças. As inscrições seguem abertas, no valor de R$ 120,00, via depósito bancário, até a próxima sexta-feira. No sábado, as inscrições só serão recebidas em espécie, no local do evento, antes de seu início, se ainda houver vagas. Há isenção de taxa para GM's  e MI's e para os MF's a taxa é de 50 reais. Para saber os procedimentos de inscrição, os interessados devem entrar em contato com Joaquim Virgolino pelos seguintes meios: 83-996026144 (celular) e rjfischer64@gmail.com (e-mail). Confira abaixo a programação do torneio. Para saber a opção de hospedagem indicada por Joaquim, clique aqui.


Sábado: 29 de abril

13:30 – Congresso Técnico
14:00 - 1ª Rodada
16:30 - 2ª Rodada
20:00 - 3ª Rodada

Domingo: 30 de abril

08:30 - 4ª Rodada
11:00 - 5ª Rodada
14:30 - 6ª Rodada
16:30 - Encerramento e entrega da premiação

Fischer: vitória moral em Bled

Por R. Braine 

Chess Life - Nov 1961, pp. 304-305


O recente Grande Torneio Jubileu Internacional realizado em Bled na Iugoslávia deve trazer alegria para os jogadores de xadrez americanos e para o público americano em geral, devido a duas coisas: uma é a notável demonstração do jovem, mas experiente chesswise, Bobby Fischer, de 18 anos. O outro é o show dos nossos dois representantes, Fischer e Arthur Bisguier, neste torneio de convite, contra os jogadores da União Soviética. Contra os quatro Grandes Mestres soviéticos Tal, Keres. Petrosian, Geller, os nossos jogadores marcaram 6 dos 8 pontos! Bobby venceuTal, Petrosian e Geller e empatou com Keres, pontuando 3,5 em 4. Bisguier bateu Keres e Geller, empatou com o atual campeão da URSS, Petrosian, e perdeu apenas para Tal, com uma pontuação positiva de 2,5 a 4. Um  maravilhoso presságio para o futuro.

Bobby ganhou de Tal, a única perda do último, e foi o único que passou pelo torneio invicto! Tal venceu o torneio com 14,5 pontos, com Bobby em segundo lugar com 13,5. Mas Bobby venceu Tal em seu confronto individual, e Bobby chega em casa como um vencedor "moral". Tal venceu 11, perdeu uma e empatou apenas sete jogos, com a pontuação de 14,5 ou 76,3%. Bobby venceu oito, não perdeu nenhuma e empatou onze vezes., marcando 13,5 ou 71%. Bisguier venceu seis, perdeu seis, empatou nove jogos, marcando 9,5 pontos ou 50%.

Foi na segunda rodada que Fischer bateu Tal. E na terceira rodada Bisguier ganhou do grande Paul Keres. Na rodada quatro, Bobby marcou uma vitória maravilhosa contra Olafsson. Quando o veterano Najdorf e o Dr. Trifunovic, na 5ª rodada, empataram em onze lances, o árbitro Milan Vidma, parou todos  os jogos e apelou por jogos de luta e a não participação de segundos em jogos adiados. Os leitores vão recordar o relatório de Hugo Bjorc, Secretário da FIDE na edição de setembro do Chess Life, sobre ambas as questões levantadas pelo Grande Mestre Milan Vidmar da Iugoslávia no Congresso FIDE de  1960 em Leipzig. Na sexta rodada. Fischer recebeu uma ovação de pé quando derrotou Geller.

Tal e Fischer foram ombro a ombro através da 15ª rodada, mas nas últimas quatro rodadas Bobby venceu apenas um jogo e empatou três marcando 2,5 pontos. Por outro lado, Tal empatou uma e venceu três, marcando 3,5. Na rodada 16, Tal ganhou para Germek enquanto Fischer empatou com Keres. Na rodada 17 Bisguier bateu Geller em excelente estilo. Tal contra Pachman jogou oito movimentos de peão consecutivos na abertura e ainda ganhou...

Na rodada final, Tal ganhou para Nsjdorf e Fischer empatou com Ivkov. Tal terminou em primeiro e Fischer em segundo. Na disputa pelo terceiro lugar, Gligoric perdeu para Petrosian, sua única derrota no torneio, e Keres venceu Donner, ocorrendo asim um triplo empate para o terceiro lugar com Gligoric, Keres e Petrosian. Bruno Parma, da Iugoslávia, atual Campeão do Mundo Junior, distinguiu-se ao alcançar o oitavo lugar.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Perseguição implacável!

Por FERNANDO MELO


O cartaz aí ao lado é só uma provocação. A perseguição que quero me referir é diferente, bem diferente, muito diferente. Vamos falar de uma partida que foi realizada em 1970 no, talvez, maior torneio de blitz já acontecido na historia do xadrez, o de Herceg Novi, Yugoslavia,  quando Bobby Fischer somou 4,5 pontos de vantagem para o segundo lugar! (Veja quadro de classificação nesta página)

No embate Fischer - Milan Matulovic, que hoje o ChessGames homenageia como a Partida do Dia, iremos conhecer essa perseguição. São 10 xeques seguidos até chegar ao mate! Vamos armar o tabuleiro e nos deliciar com esse jogo, quando Fischer estava realmente imbatível!


Fischer - Matulovic
Ruy Lopez (C63)

1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 f5 4.Cc3 fe 5.Ce4 d5 6.Ce5 de 7.Cc6 Dg5 8.De2 Cf6 9.f4 Df4 10.d4 Dh4+ 11.g3 Dh3 12.Bg5 a6 13.Ba4 Bd7 14.Bf6 gf 15.De4+ Rf7 16.Ce5+ fe 17.Tf1+ Re7 18.Bd7 Rd7 19.Tf7+ Re8?? (o correto seria 19. ...Be7) 20.Tc7 Bd6 21.Tb7 Tc8 22.0-0-0 Dh2 23.de Be7 24.Te7+! (começa a perseguição) Re7 25.Db7+ Re6 26.Dd7+ Re5 27.Dd5+ Rf6 28.Tf1+ Rg6 29.Df5+ Rh6 30.De6+ Rh5 31.Tf5+ Rg4 32.Tf4+ Rg3 33.Dg4 Xeque-Mate!



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Essa maravilhosa chinesinha!

Por Fernando Melo

Gosto da GM Hou Yifan,(2651), 23 anos,  nossa querida chinesinha, desde o tempo em que usava broche de cabelo. Ela só nos dá alegria com suas maravilhosas vitórias contra famosos grandes mestres. No torneio em andamento na Alemanha , ela lidera com 2,5 em 3 pontos. E sabe quem são os outros sete jogadores? Você que não está sabendo de nada sobre esse evento vai se assustar.  Caruana, Aronian, Vachier, etc, e tem mais, inclusive um tal de Magnus Carlsen! Isso mesmo, Magnus Carlsen está jogando e não conseguiu uma vitória: três partidas , três empates!  Dito isto, a soma dessas informações, o leitor já pode sentir a força da chinesinha!


Das três primeiras partidas ela ganhou na primeira rodada para Fabiano Caruana (2823). Na segunda rodada voltou a ganhar, desta vez para o alemão Georg Meier (2630) e na terceira rodada empatou com Magnus Carlsen (2840).

Gostei muito da partida frente a Caruana e acredito que vale a pena armarmos o tabuleiro e reproduzir lance a lance.

Yifan 1-0  Caruana
Grenke Chess Classic 2017
Ruy Lopez - C67


A maravilhosa chinesinha Hou Yifan vence e convence!!
1.e4 e5 2.Cf3 Cc6 3.Bb5 Cf6 4.0-0 Ce4 5.Te1 Cd6 6.Ce5 Be7 7.Bf1 0-0 8.d4 Cf5 9.Cf3 d5 10.c3 Bd6 11.Cbd2 Cce7 12.Dc2 c6 13.Bd3 g6 14.Cf1 f6 15.h3 Tf7 16.Bd2 Bd7 17.Te2 c5 18.dc Bc5 19.Bf4 Tc8 20.Tae1 g5 21.Cg3 Cg3 22.Bg3 a5 23.Dd2 a4 24.b4 ab 25.ab Cg6 26.h4 gh 27.Ch4 Ch4 28.Bh4 Df8 29.Df4 Bd6 30.Dd4 Td8 31.Te3 Bc8 32.b4 Rg7 33.Bb5 Bc7 34.Te8 Dd6 35.Bg3 Db6 36.Dd3 Bc7 37.Bd7 Tdd7 38.Df5 Bg3 39.Dg4 Rh6 40.Dh3 (1-0)

Por que será que Caruana abandonou? Vale a pena analisar a posição. Conversei, faz pouco, por telefone com o MF Francisco Cavalcanti e chamei sua atenção para o final dessa partida. ele me prometeu que ia olhar. Aproveito e chamo a atenção de Francisco Dantas, que gosta desse tipo de posição, e também dê uma olhada. E, claro, a todos os interessados. A chinesinha é mesmo maravilhosa! 

Torneio Tiradentes!



Na tarde desta sexta-feira, 21, teremos no Clube de Xadrez Miramar mais uma versão do Torneio Ativo Tiradentes, que contará com 5 rodadas de 15 minutos nocaute. A inscrição para os sócios é de 20 reais e os não sócios é de 30 reais. O vencedor receberá o Troféu Tiradentes, o vice e terceiro lugar, medalhas. A direção do torneio é do MF Francisco Cavalcanti. 

terça-feira, 18 de abril de 2017

Fernando Sá e seu amor ao xadrez!

Por Fernando Melo

Parabéns Fernando Sá pelos seus 47 anos de vida!
O xadrez da Paraíba tem crescido muito nos últimos anos graças ao trabalho de alguns abnegados, e para não ir muito longe com a relação, podemos lembrar Luis Flavio Paiva, Joaquim Junior e Fernando Sá de Melo. Vamos nos debruçar neste último, por um motivo especial, já que trata-se do seu aniversário, 47 anos, completados hoje, para alegria dos seus familiares e amigos.

Eu sempre acreditei na capacidade de Fernando Sá, mas confesso que ele me surpreendeu com o poder de organização e disciplina demonstrado na direção do Memorial Bobby Fischer. É algo além do esperado, uma dedicação singular, na busca dos mínimos detalhes. Tudo é pensado, avaliado, calculado e quando ele bate o martelo, ficamos certos de que tudo vai acontecer como planejado.

Claro que isso exige muito esforço, espírito de renúncia e, acima de tudo, paixão pelo que faz. Vi nessa última versão do Bobby Fischer o que ele fez, antes e durante o torneio. O primeiro a chegar, o último a sair, atento a tudo sem deixar nada escapar, vigilante para que nada prejudicasse o andamento do torneio.  

Neste dia de hoje, 18 de abril, quero lhe prestar essa homenagem e que todos os enxadristas brasileiros sintam o quanto ele é importante para que o xadrez na Paraíba, no Nordeste e no Brasil continue na sua escalada de vitórias e conquistas.

Fernando Sá tem feito sua parte com dignidade e todos os louros que possa receber, o maior deles vem da deusa Caíssa, satisfeita com seu trabalho e certa de que poderá contar com ele por todos esses muitos anos que ainda virão. De minha parte, nada melhor do que ter um filho assim. Sei o quanto ele é querido por Dona Ana, sua mãe, e por Silvio, seu irmão. Sei da feliz família que constituiu ao lado de Gláucia, sua esposa, e dos seus lindos filhos Daniel e Maria Rita. Mas o que mais sei é do seu amor ao xadrez!  

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Lembranças de Antonio Resende!

Por Fernando Melo

O MI paulista Antonio Resende nos enviou por e-mail um estudo que ele fez quando estava começando no xadrez, um ano após Bobby Fischer conquistar o título mundial. Trata-se da terceira partida do match Fischer-Spassky.  Vejamos o que ele diz:

--------------------

"A primeira posição da partida que me fez pensar muito. Conheci esta partida em 1973 apenas.  Na época era um principiante querendo avançar no xadrez. Eu não entendia porque Spassky abandonou nesta posição. Pensava eu que, apesar de cair o peão de b4, as brancas tinham chances de xeque-mate com Bb2 ou Bh6 seguido de Dg7++. Não me conformava com a desistência das brancas. Perguntava aos mais experientes que diziam: 'Está perdido! Não perca seu tempo querendo analisar isto'. 'Não percebe que o branco está em zugzwang'. Como era difícil o xadrez!

Não acreditava no que me diziam e então por dias voltava e analisava esta posição no tabuleiro procurando fazer os melhores lances. Inicialmente para mim tinha muito jogo ainda pela frente. Com o tempo fui percebendo e descobrindo sobre o tabuleiro: se 42.Re3 Dd1 43.Bb2 Df3 44.Rd2 De2 45.Rc1 Dc2++. E se 42.Re1 Db4+ 43.Rd1 Db3+ 44.Re1 b4!. E se 45.Bb2 c3! E contra 45.Bh6 Db1+ 46.Rd2 Dc2+ e mate em seguida.

Hoje as coisas são mais fáceis com chessbase e fritz ligados te dando a resposta instantânea. Economizamos tempo. Há outros programas também. A minha geração de enxadristas tinha que descobrir tudo no tabuleiro!"

--------------------

Devemos ter em mente que Resende era então um principiante, e ele, nessa "teimosia", querendo tirar leite de pedra ou pintar usando o branco em tela branca, apenas nos prova do seu interesse em aprender, e isso certamente deve ter ajudado bastante a firmar seus conhecimentos. Fico feliz por esse seu estudo ter sido com essa partida! Sempre assim, Fischer nunca pode ser esquecido!