quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Torneio em Alagoa Grande



Piatigorsky - a favorita de Caíssa!

Por Fernando Melo

O  xadrez é muito rico e quanto mais pesquisamos mas encontramoss historias fantásticas. Hoje queremos falar um pouco da Sra. Jacqueline Rebecca Louise Piatigorsky, (nascida Rothschild), nascida em Paris, no dia 6 de novembro de 1911 e faleceu nos Estados Unidos, onde naturalizou-se, no dia 15 de julgo de 2012, tendo vivido 100 anos! Foi uma mulher além do seu tempo. Autora, escultora, tenista, patronesse das artes e do xadrez franco-americano e MI de xadrez!

Amiga pessoal de grandes exandristas, a exemplo de Bobby Fischer,, Boris Spassky, Paul Benko, Tigran Petrossian, Paul Keres, amiga portanto de muitos outros Grandes Mestres que pontifcaram no século passado. Como jogadora, entre outros torneios, Jacqueline participou das Olimpíadas de 1957 e ganhou a Medalha de Bronze. Foi ela quem ajudou a organizar o match entre Samuel Reshevsky e Bobby Fischer, em 1961, e o Torneio Piatigorsky Cup, a competição mais forte nos Estados Unidos, desde o Torneio de Nova York de 1924.

Ela casou-se com o lendário violoncelista Gregor Piatigorsky, em 1937. Eles fugiram psra os Estados Unidos na esteira, da eventual invasão nazista Uma vez em Los Angeles, fez muito pelo xadrez, principalmente no apoio aos joevsns, financiando torneios e viagens, numa época em que era raro torneios juvenis. Vamos completar este artigo, com algumas fotos.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Ubirajara ganha torneio!


Com 100% de aproveitamento, Ubirajara Barros (2º à esquerda com o troféu)  ganhou o Torneio das Cooperativas 2016, com arbitragem de Ivanilson Pereira e Antonio Dutra, Foram oito participantes  e os três primeiros colocados foram: 1 - Ubirajara Barros (Federal Cred NE), 7 pontos em 7 possíveis; 2 - Petrúcio Mamede (SEESCOOP-PB) 6 pontos e 3 - Altino Nepomuceno (Coop. Agropec.  do Cariri Ltda) 5 pontos. 

Próximo sábado!


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Será em setembro


Coluna sairá na quinta-feira

A coluna de xadrez, publicada todas as terças-feiras no Caderno de Esportes do jornal Correio da Paraíba, esta semana, será publicada, excepcionalmente, na quinta feira.

sábado, 20 de agosto de 2016

Tiné vence N-NE de Blitz!

MF Vinícius Tiné (d), campeão do IV Norte-Nordeste de Blitz (foto: Joaquim Virgolino)

O MF pernambucano Vinícius Tiné sagrou-se campeão hoje do IV Torneio Norte-Nordeste de Xadrez Blitz, ocorrido em Campina Grande, ao somar 10,5 pontos em 13 possíveis. Segundo nos informou Joaquim Virgolino, em primeira mão, a classificação das demais posições até a 12ª posição ficou assim: 2º - MI Yago Santiago (10 pts), 3º - MN Dawton Lemos (10 pts), 4º - Rafaell Wanderley (9,5 pts), 5º - MF Luismar Brito (9 pts). 6º - Carlos Capivara (8 pts), 7º - MN Paulo Barbosa (7,5 pts), 8º - CM Jayme Miranda (7,5 pts), 9º - MN Rafel Cabral (7,5 pts), 10 - Gilberto Ferreira (7,5 pts), 11º - MN Evandro Rodrigues (7 pts), 12º - Rondinelle Pessoa (7 pts). Como vemos, o nível técnico do evento foi  muito bom, refletindo boa parte da força do xadrez nordestino. Eis a seguir uma seleção de fotos da competição, enviadas por Joaquim Virgolino.












sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Semifinal do XXIV Paraibano


Em reunião de Diretoria, na última quinta-feira, o presidente da Federação Paraibana de Xadrez, Petrov Baltar, bateu o martelo, marcando para os dias 14, 15 e 16 de outubro do corrente ano, a Semifinal do XXIV Campeonato Paraibano 2016, valendo Rating FIDE.. O evento será realizado na Fundação Casa de José Américo de Almeida, na Av. Cabo Branco, 3336, e contará  5 rodadas com o tempo de 1 h + 30s de acréscimo por lance.A I Rodada será às 14 horas, do dia 14/10, (sexta-feira), a II Rodada às 9 hs, no sábado, 15 e a III Rodada as 14 hs, do mesmo dia. Já no domingo, teremos as duas últimas rodadas, no mesmo horário do sábado.


A premiação será de R4 1.200,00 (hum mil e duzentos reais), assim distribuída: Campeão - Troféu + 400 reais; Vice-Campeão - Medalha + 300 reais; 3º lugar - Medalha + 200 reais; 4º e 5º - Medalha + 150 reais. Esses cinco jogadores premiados estarão classificados para a Final do Paraibano. Será cobrada uma taxa de inscrição de 60 reais e ´poderão jogar esta Semifinal paraibanos com Elo até 2100  Os jogadores com Elo acima de 2100, já estão classificados para a Final. 

Os jogadores interessados nesta Semifinal, devem depositar o valor da inscrição na conta bancária da Federação Paraibana de Xadrez: Banco do Brasil, Ag. 3502-5 C/C 17388-6, até o dia 13/10/16. Quem deixar para o dia 14 (início do torneio) pagará 70 reais. A Federação também decidiu que a Final será em janeiro de 2017. Em breve, teremos neste blog o Regulamento da Semifinal.

É hoje !!


quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A moral do xadrez!

Por Fernando Melo

Benjamin Franklin foi um jornalista, editor,  autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata, inventor e enxadrista estadudinense! Ele nasceu em Boston (Massachustes) no dia 17 de janeiro de 1706 e faleceu no dia 17 de abril de 1790, aos 84 anos.

Confesso ter ficado impressionado com o artigo que ele escreveu, sob o título - A moral do xadrez -, publicado pela primeira vez no Columbian Magazine, em dezembro de 1786. A certa altura, deste longo artigo. ele diz:

"O jogo do xadrez não é meramente uma diversão ociosa. Muitas valiosas qualidades da mente, úteis no decorrer da vida humana, são adquiridas ou reforçadas por ele, de forma a se tornarem habituais, disponíveis a qualquer momento. Pois a vida é uma espécie de xadrez, no qual muitas vezes temos pontos a ganhar, e competidores ou adversários para enfrentar, e onde há uma ampla variedade de fatos bons e ruins que em certa medida, são os efeitos da prudência, ou da sua falta. Através do jogo de xadrez, entao, nós podemos aprender o seguinte:

I - Previsão: olhar um pouco para o futuro e considerar as consequências que podem aguardar determinada ação. Pois ocorre continuamente ao jogador a seguinte reflexão: 'Se eu mover esta peça, quais serão as vantagens da minha nova situação? Qual a utilidade que o meu adversário poderá obter com esta última para me causar problemas? Que outras movimentações posso fazer para dar apoio àquela jogada, defendendo-me do ataque dele?' 

II - Circunspeção: observar todo o tabuleiro, ou o cenário da ação, as relações e situações de cada peça individualmente, os perigos aos quais elas estão expostas, as várias possibilidades de se ajudarem mutuamente, as probabilidades de o adversário poder fazer esta ou aquela jogada, e atacar esta ou aquela peça. E que diferentes meios poderão ser usados para evitar esse ataque, ou fazer com que as consequências do mesmo se voltem contra seu autor.

III - Precaução: não realizar nossas jogadas muito apressadamente. Adquirir-se melhor este hábito quando se observam estritamente as leis do jogo, tais como 'se alguma peça for tocada, ela necessariamente deverá ser movida para algum lugar, e se ela for colocada em algum lugar, deverá ser deixada ali'. Por isso, é melhor que essas regras sejam observadas à medida que o jogo se torna cada vez mais a imagem da vida humana, e particularmente da guerra; onde, se ocuparmos inadvertidamente alguma posição ruim e perigosa, não teremos permissão do inimigo para retirar nossos soldados e colocá-los em maior segurança, mais sim, teremos de arcar com todas as consequências da nossa precipitação".

Grande Benjamin Franklin! Essa visão, que parece atual para os iniciantes e iniciados do xadrez, é de 230 anos atrás! Chamamos a atenção dos leitores deste blog para considerar esses ensinamentos de Benjamin Franklin. O citado artigo pode ser encontrado  no livro O Jogo Imortal, de David Shenk, da Editora Zahar, ou,  facilmente, na internet. Vale conferir!

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O patriarca Botvinnik!

Por Fernando Melo

Centrar a atenção no grande mestre soviético Miguel Botvinnik é o mesmo que revisar uma das personalidades mais importantes na historia moderna do xadrez mundial.
A contribuição deste enxadrista é coroada de êxito pelo muito que fez para o crescimento da arte de Caíssa.

Em 1946, com a morte do então campeão mundial Alekhine, a FIDE - Federação Internacional de Xadrez, reuniu um grupo de jogadores considerados pela força no tabuleiro e realizou um torneio, cujo vencedor seria coroado Campeão do Mundo.  E assim começava a gloriosa passagem de Botvinnik, que conduziu por muitos anos o título de campeão.  

Nascido no dia 17 de agosto de 1911, portanto 105 anos faria hoje, o Patriarca da Escola Russa morreu aos 83 anos, no dia 5 de maio de 1995. Depois de se tornar campeão do mundo em 1948, Botvinnik disputou sua coroa contra Bronstein em 1951 e o match terminou empatado, mas as regras de então davam vitória ao campeão em caso de empate, como ainda, caso perdesse teria direito a uma revanche no ano seguinte,  Em 1954, o desafiante foi Smyslov e Botivinnik ganhou, mas em 1957, Smyslov derrotou o campeão, e os dois voltaram a jogar em 1958, com Botvinnik recuperando o título. Em 1960, Tal ganhou o titulo de campeão e no ano seguinte Botivinnik recuperou. Em 1963, Petrosian ganhou o match e a FIDE acabou com o direito de revanche, o que fez Botvinnik não mais querer disputar o título pelos novos critérios.

Uma das caracteristicas desse grande jogador, foi o critério rigoroso na preparação das aberturas. Ele costumava jogar a Inglesa e suas variações. Como se defendia com a Francesa, Siciliana e Caro Kann, e a Nimzoindia,entre suas preferidas. Entre os alunos de suas escola, dos muitos que preparou, estão Karpov e Kasparov!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

A favorita de Fischer

Por Fernando Melo
Najdorf, em pé, espera o lance de Fischer, na Ol. de Leipzig 1960

Lendo e relendo o meu livro favorito, que não é outro senão Minhas 60 Melhores Partidas, de Bobby Fischer, revejo com prazer o embate entre Fischer e Najdorf, na Olimpíada de Varna, 1962. Fischer de brancas jogou o lance de sempre, 1.e4 e o mais amado jogador do mundo reagiu com a Siciliana.
Vejamos o comentário dessa partida:

A perdurável Variante Najdorf segue sendo a favorita de Fischer, que quando a enfrenta efetua contínuos experimentos. Nesta partida, contra o pai do sistema, emprega uma continuação pouco ortodoxa. Najdorf replica com energia e pronto se estabelece uma boa luta. A fim de conservar a iniciativa, Fischer entrega um peão, com 7,Cd5. Najdirf recusa a oferta, só aceitando três jogadas mais tarde, em circunstâncias mais desfavoráveis.

 O veterano grande mestre perde espaço nas complicações, permitindo um devastador sacrifício que fixa o sei rei no centro, e se bem se defende com precisão se encontra com o que é tarde para compensar sua indecisa tática na abertura. E logo se vê envolvido numa rede de mate, depois de 24 movimentos. Antes que prolongar sua agonia opta pelo abandono..